• June 2018 TUSD Desegregation update from Latin@ Plaintiff representative

    Sylvia Campoy will be a guest on Wake Up Tucson, 1030-KVOI, this Wednesday, June 20th, at 8am to discuss the issues she addresses and the speak-out event on Thursday mentioned in this article.

  • Latino Students Plaintiff responds to TUSD Supt Trujillo over latest Deseg court filings attacking Latinos

    Last week on June 14th, 2018, TUSD Superintendent Gabriel Trujillo was on the Bill Buckmaster Show and was asked why TUSD is filing to dismiss the Latino Plaintiffs (Mendoza) from the over four-decades-old Desegregation Case. A short audio excerpt from the show is included below.

    Trujillo responds that this is not true, but rather TUSD “has complied with ALL provisions of the Unitary Status Plan [aka “Deseg Order”] as it pertains to the Mexican American student portion.”

    Trujillo goes on to say that this is “a radically different statement than saying ‘get rid of the plaintiff representative.’” Trujillo also goes on to agree with TUSD Board President Mark Stegeman’s claim that TUSD will be off of this Deseg Order within 4 years and explains how this will occur; that audio excerpt is also included in the video above for your convenience. read more

  • President’s Tweet Sabotages GOP on Immigration

    Read more of this story here from Truthdig RSS by LISA MASCARO and ZEKE MILLER / The Associated Press.

    WASHINGTON—Just when House Republicans needed Donald Trump’s backing the most—on their big immigration overhaul—he dashed off a presidential tweet saying they should quit wasting their time on it.

    The Friday tweet is hardly the first time the president has abandoned his allies in a moment of need. Over and over, Trump has proven himself a saboteur, willing to walk away from promises and blow up a deal, undermining the GOP agenda in Congress.

    “You just fear that tweet in the morning,” said Rep. Ileana Ros-Lehtinen of Florida. The retiring Republican said members of Congress can’t help but think, “Oh no, how many policies will you undo by the day’s end? Because the day’s not over. Heck, it’s not even noon yet. How many times could he change his mind?”

    On Capitol Hill on Friday, the mood was gloomy, particularly among the more centrist Republicans who have been pushing the party’s immigration compromise. That bill would provide $25 billion for Trump’s border wall and set new limits on family visas in favor of merit-based entry — but also create a path to citizenship for young “Dreamers.” It seemed to be losing — rather than gaining — support ahead of rescheduled voting next week. Trump had publicly backed the bill earlier in the week.

    “It’s a horrifically chilling signal,” said another retiring Republican, Rep. Mark Sanford of South Carolina, who recently lost his primary election after frequently criticizing Trump.

    “What the president just signaled is, ‘I’m not going to be there.’ And therefore I think people will take the cue,” Sanford said. “I think it makes immigration reform that much more unlikely.”

    Republican Rep. Mike Simpson of Idaho said lawmakers who are counting on Trump to provide a presidential nudge should reconsider. “He changes so frequently that anybody who depends on that, I think, is in trouble,” he said.

    Others, particularly conservative Republicans who don’t support the immigration deal, said Trump’s actions should come as no surprise. He ran on disrupting Washington, aides said, and that’s exactly what he’s doing.

    In fact, he does it all the time. Last year, not long after House Republicans stood in the Rose Garden with Trump celebrating passage of their replacement for former President Barack Obama’s health care law, he mocked their legislation as a “mean” bill. After Congress approved a budget deal to end a government shutdown in February, Trump turned on lawmakers and threatened to veto it.

    At a White House meeting this week with some two dozen wayward Republicans who needed nudging on the immigration bill, one lawmaker directly asked the president if he would reverse course on it the way he did when he threatened to veto the budget deal, according to two Republicans familiar with the private exchange.

    The president reassured them that would not happen, they said.

    “Everybody is sensitive to what the president is saying,” said Rep. Paul Cook, R-Calif., who’s undecided on the immigration measure. “I think it makes it very, very difficult. … What he says influences a lot of members.”

    The assessment of Trump’s changes isn’t much different at the White House, where officials were caught off guard by his sudden shifts this week on immigration — including his reversal in signing an executive order to halt the separation of immigrant families at the border.

    Officials portray a president who increasingly relies on his own counsel, ignoring their advice. They say they follow along with the rest of the country on Twitter to learn what their boss is doing.

    “Republicans should stop wasting their time on Immigration until after we elect more Senators and Congressmen/women in November,” Trump tweeted early Friday. “Dems are just playing games, have no intention of doing anything to solve this decades old problem. We can pass great legislation after the Red Wave!”

    Officials said the president’s haphazard actions seem to have less to do with campaign politics — or even his own standing with voters — than ego. He’s frustrated with Congress and the media, particularly after the flop of the GOP’s health care overhaul last year, which made him wary of fully embracing legislation before it passes.

    What is unclear, though, is whether the president realizes the moderate Republicans he is alienating by shunning their immigration overhaul are among those most endangered in the midterm elections.

    “No one has more to lose in November than the president does when it comes to the majority in the House, because if this majority flips over to being a Democrat, there will be a big push for impeachment,” said Rep. Bradley Byrne, R-Ala., who opposes the immigration bill.

    House GOP leaders have made it clear they do not expect the immigration bill to pass, but have little choice but to press forward and keep a promise made to moderate Republicans.

    One leading architect of the bill, Rep. Carlos Curbelo of Florida, holds out hope that the bill can be revised to gain support.

    “What we need from the president is for him to sign a good immigration bill, and he and his team have indicated that he will. That’s all we need,” Curbelo said.

    Besides, said Rep. John Faso, R-N.Y., a supporter of the bill, maybe Trump will change his mind again: “Just wait a few hours, the tweet will be different.”

    ___

    Associated Press writers Alan Fram, Matthew Daly, Kevin Freking, Laurie Kellman and Padmananda Rama contributed to this report.

    Truthdig is running a reader-funded project to document the Poor People’s Campaign. Please help us by making a donation.

  • Refugiados africanos cruzam o Atlântico para viver no Brasil

    Read more of this story here from The Intercept by Pedro Noel.

    Quando a violência no Congo tornou-se insuportável, Afonso, de 28 anos, decidiu que era hora de arrumar as malas.

    Ele encontrou um grupo de contrabandistas e escapou da capital Kinshasa em um navio de carga com um punhado de outros imigrantes. À medida que o barco saiu da África, ao invés de seguir para o norte, rumo à Europa, tomou o caminho das Américas.


    Afonso veio para o Brasil em um navio de carga e trabalhou durante o trajeto para pagar a viagem.

    Afonso veio para o Brasil em um navio de carga e trabalhou durante o trajeto para pagar a viagem.

    Marcelo Pereira

    Afonso trabalhou no navio para pagar sua passagem. Duas semanas depois, estava no porto de Santos. Hospedado em um dos centros de acolhimento de refugiados da Missão Scalabriniana na cidade de São Paulo, passou a procurar emprego.

    Ele faz parte de uma onda de imigrantes africanos e do Oriente Médio que optam por navegar clandestinamente até as Américas para evitar as gangues violentas que tomaram conta da rota europeia e o mesmo destino das dezenas de milhares de pessoas que morreram tentando atravessar o deserto do Saara e o Mediterrâneo nos últimos anos.

    Relatório divulgado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, o Acnur, nesta terça-feira mostra que, em um ano, mais que dobrou o número de estrangeiros que buscam refúgio no Brasil. Cerca de 85% das pessoas com status de refugiados no mundo foram acolhidas por países em desenvolvimento.

    A história de Afonso é incomum: a maioria dos imigrantes que desembarcam no continente evita o oceano, optando por um pacote que inclui visto, voo e hospedagem e que os deposita em segurança nas maiores cidades da América do Sul.

    Na Caritas, uma organização da igreja católica que ajuda refugiados e imigrantes, conhecemos K, que pediu para não revelar seu nome completo por questões de segurança. Ele deixou Serra Leoa em abril de 2017. Seu avô era o principal sacerdote de uma sociedade secreta na qual, por tradição, o filho mais velho da família assume o posto assim que antigo sacerdote morre.

    Cristão e formado em Tecnologia da Informação, K se recusou a assumir o lugar do avô e passou a ser perseguido. Ele fugiu para ficar com a família no interior do país, mas foi sequestrado e mantido em cativeiro no meio da floresta. Uma noite, ele conseguiu escapar para a cidade e conheceu uma mulher de uma organização cristã que arranjou passagens de avião para que ele pudesse partir imediatamente para o Brasil.

    A irmã Eva Souza, diretora da Missão Scalabriniana em São Paulo, calcula ter recebido recentemente pessoas de países como Angola, Camboja, Congo, Egito, Guiné, Marrocos, Nigéria, Togo, Tunísia, Egito e Síria, entre outros.


    O marroquino Mohamed Ali, de 40 anos, vive no alojamento da Missão Scalabriniana em São Paulo

    O marroquino Mohamed Ali, de 40 anos, vive no alojamento da Missão Scalabriniana em São Paulo

    Marcelo Pereira

    Na Missão, os imigrantes recebem alojamento, comida, roupas e medicamentos. O grupo conta apenas com uma pequena quantia de apoio financeiro do governo e se esforça para ajudar os imigrantes a encontrarem empregos para que eles possam viver de forma independente.

    A irmã diz que muitos dos que chegam à casa estão doentes; alguns, gravemente feridos, outros ficaram doentes durante a viagem ou sofrem por conta das condições em que viviam antes de chegarem a São Paulo. Desde 2015, ela diz ter recebido imigrantes nas situações mais diversas – de vítimas de tráfico humano e de escravidão a mulas de drogas, refugiados políticos e pessoas que perderam suas famílias no caminho.

    Onda de imigração

    Em 2003, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criou uma política de refugiados focada na cooperação sul-sul. Isso colocou o Brasil um em um papel de destaque nesse cenário, levando a ondas de imigração: palestinos em 2007, haitianos a partir de 2010, após o terremoto que devastou seu país, e sírios em 2014. Mas também causou um aumento no número de imigrantes e refugiados africanos, asiáticos e do Oriente Médio em busca de asilo.

    De acordo com as estatísticas oficiais, em 2010 o Brasil recebeu apenas 966 pedidos de asilo. Cinco anos depois, o número passou para 28.670. Muitos eram haitianos, mas funcionários de imigração apontam um aumento brusco no número de pessoas vindas da África e do Oriente Médio.

    Nem todos foram bem vindos. Há 85.746 casos de asilo pendentes, de acordo com o Acnur, e apenas 10.264 refugiados reconhecidos oficialmente. Outros 52.341 se encaixam na rubrica “outras pessoas dentro do escopo do Acnur”, que são as que pedem residência temporária por dois anos justamente por causa da demora do processo de refúgio.

    Muitas das pessoas que tiveram seus pedidos negados acabaram ficando no Brasil. Tanto vivendo ilegalmente quanto usando o país como ponto de partida para uma jornada para o interior do continente. Em 2015, de acordo com o Ministério do Turismo, 110.983 viajantes africanos chegaram ao país, vindos principalmente da África do Sul, Angola, Cabo Verde, Marrocos, Tunísia e Nigéria. A maioria foi para São Paulo.

    Os números oficiais mostram que 1.366 pessoas do continente africano entraram no Brasil por terra — principalmente através do Paraná e dos estados do norte do país, Amapá, Roraima, Amazonas e Acre. Ao menos 125 chegaram pelo mar.

    O ‘boom’ brasileiro

    A esperança da consolidação do Brasil como uma potência econômica mundial alimentou a corrida para o país. Houve um boom na construção civil antes da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, durante o otimismo promovido pelos governos Lula e Dilma Rousseff.

    Muitos disseram que, mesmo com a desaceleração na economia, estão melhores aqui do que em seus países de origem.

    No Brasil não havia nenhum lugar mais atraente do que São Paulo: uma megalópole de mais de 12 milhões de habitantes, a capital financeira do país e uma das cidades mais ricas do mundo. O local tornou-se um destino importante para imigrantes. Quase metade dos residentes da cidade nasceram em outras partes do país e do mundo.

    Embora a perspectiva econômica do Brasil, que passa desde 2015 por uma grave crise financeira, tenha se deteriorado, o fluxo de imigrantes continua forte. Muitos disseram que, mesmo com a desaceleração na economia, estão melhores aqui do que em seus países de origem.

    Lalingé, um restaurante senegalês no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano. Eles se reúnem para conversar, fazer negócios, retransmitir as últimas notícias de seus países e, claro, compartilhar as refeições africanas de que tanto sentem falta.

    Arami, proprietária do local – cujo nome significa “A Princesa” em seu idioma –, está no Brasil há sete anos. Ela conta que abriu o restaurante em 2016 para que a comunidade africana no centro da cidade tivesse um lugar para se reunir.


    O restaurante senegalês Lalingé, no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano.

    O restaurante senegalês Lalingé, no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano.

    Marcelo Pereira

    A vizinha Praça da República, onde muitos imigrantes senegaleses trabalham como vendedores ambulantes, se torna palco de uma festa comunitária todas as noites. Os aparelhos de som tocam canções africanas tradicionais, e o ar é preenchido por conversas sobre a terra natal.

    Carmem Silva, que lidera a Frente de Luta por Moradia, uma ONG que ajuda os sem-teto em São Paulo, diz que a maioria das pessoas que procuram a ajuda do grupo são imigrantes ou refugiados atrás de asilo. Boa parte quer ficar no país. Uns 20%, calcula, ainda o vêem o Brasil como parte do caminho para outros lugares, principalmente para os EUA.

    Fitah, um refugiado somali de 32 anos, estava entre aqueles que esperavam usar o país como um trampolim para chegar aos Estados Unidos. Ele deixou a Somália em 2007 devido à guerra civil e foi para a África do Sul, onde ficou até março de 2017, e pousou em São Paulo com um passaporte de refugiado sul-africano depois de comprar documentos falsos por 4 mil dólares em Johannesburg. Ele queria ir para os Estados Unidos, mas o “pacote de viagem” oferecido por seus traficantes lhe deu apenas duas opções: Brasil ou Turquia. Os preços variam de acordo com o sexo, idade e destino, conta.

    Desiludido pela tentativa do presidente dos EUA, Donald Trump, de impor uma proibição de viagem aos imigrantes da Somália e de outros países, agora pensa em ficar no Brasil. “Aqui eu posso pelo menos andar livre”, diz.

    Corrupção na rota

    Os imigrantes que vêm da África geralmente viajam de avião e entram no Brasil legalmente, sem a ajuda de coiotes, graças a nossa legislação de imigração mais aberta. No entanto, a rota não deixa de ter problemas, e muitos imigrantes contratam “agências” em seus países de origem que se comprometem a “facilitar o processo”. Para alguns deles, reunir os documentos necessários e um agente pode custar milhares de dólares.

    Um oficial da polícia federal brasileira, que falou sob condição de anonimato, disse que as entradas de imigrantes no país – especialmente africanos –, são acordadas com funcionários corruptos na fronteira que retêm centenas de passaportes. Para fazer uma renda extra, eles carimbam pilhas de documentos em turnos noturnos silenciosos.

    Os imigrantes também são extorquidos de outras formas. Alguns funcionários da alfândega não carimbam os passaportes dos imigrantes na entrada do país, mas marcam os endereços brasileiros dos recém-chegados. Meses depois, eles batem em suas portas e pedem dinheiro, ameaçando denunciá-los às autoridades.

    A trilha de imigração através da África começa localmente: aqueles que fogem da crise da segurança no Congo, por exemplo, vão primeiro a Angola antes de atravessar o Atlântico.

    Mas a corrupção também começa em casa. Em 2010, um diplomata angolano disse que um número significativo de pedidos de documentos de identidade emitidos em sua embaixada em Kinshasa, no Congo, foram, na verdade, feitos por imigrantes congoleses que se apresentavam como angolanos.

    H, uma angolana de 42 anos que atualmente mora em um casa alugada pela igreja batista em um bairro abandonado de São Paulo, conta que muitos imigrantes angolanos subornam funcionários da fronteira africana para conseguir documentos. A trilha de imigração através da África começa localmente: aqueles que fogem da crise da segurança no Congo, por exemplo, vão primeiro a Angola antes de atravessar o Atlântico.

    A casa em que H vive, anexada ao prédio da igreja e vizinha a uma boca de fumo, é rústica. Ela chegou há um ano, grávida e com dois de seus filhos. Seu marido e mais duas filhas ainda estão lá.

    H diz que depois que a família do presidente angolano assumiu o mercado de bens contrabandeados em seu país, seu pequeno negócio de importação começou a desmoronar. A longo prazo, ela quer voltar para Angola, mas apenas em uma “situação política diferente”.

    Atualmente, ela está desempregada, mas feliz por seu filho estar estudando, embora muitas vezes ele chegue em casa reclamando do racismo na escola. H não quer que ele brinque com as crianças do bairro, teme que ele seja atraído pelo tráfico caso se misture com a turma errada.

    Embora o Brasil tradicionalmente tenha tido uma atitude receptiva em relação aos refugiados e sua legislação seja moderna e permissiva, a integração não é fácil e muitos imigrantes se queixam de discriminação.

    Muitos africanos entrevistados em São Paulo ainda estavam à espera de documentos permanentes e, apesar de terem permissão para trabalhar com carteira assinada, a maioria trabalhava informalmente, como vendedores ambulantes. Caso do senegalês Abu, que vende tecidos em um quiosque improvisado perto da Praça da República, e de Jorge, da Guiné-Bissau.

    Hoje com 37 anos, ele nasceu em Thiès, no oeste de Senegal, e chegou ao Brasil ainda em 2010 com a esperança de que a Copa do Mundo faria do país um lugar próspero e lhe ofereceria uma nova vida. Ele defende que os imigrantes devem ser respeitados por terem a coragem de deixar tudo para trás e recomeçar a partir do nada. A discriminação e a falta de emprego são um problema para ele, que diz que seu plano agora é economizar para ir para a Europa o mais rápido possível.

    Quando chegou, Abu tinha dinheiro para ficar em um hotel por sete dias. Depois, conseguiu emprego como vendedor de rua e passou a comercializar itens contrabandeados e roupas tradicionais senegalesas costuradas no Brasil com tecidos africanos. Toda vez que a Guarda Municipal vem e apreende as peças, ele demora até cinco meses para recuperar o dinheiro perdido.


    O refugiado senegalês Abu vende roupas costuradas com tecidos típicos em uma barraca no Praça da República, em São Paulo.

    O refugiado senegalês Abu vende roupas costuradas com tecidos típicos em uma barraca na Praça da República, em São Paulo.

    Marcelo Pereira

    Jorge, um engenheiro formado da Guine Bissau, veio para o Brasil há dois anos e agora também vende roupas falsas e contrabandeadas em um mercado local. Sua namorada brasileira está grávida e ele está aguardando uma autorização de trabalho para conseguir um emprego como pedreiro.

    Quando a Polícia Federal foi ao seu endereço para confirmar se ele estava morando lá – um passo essencial no processo de emissão de um visto de trabalho para um imigrante –, os colegas com quem dividia a casa acharam que queriam prendê-lo e negaram que Jorge vivesse no local. Isso atrasou sua chance de obter um trabalho legal e melhor remunerado. A falta de confiança nos funcionários públicos e policiais brasileiros é uma questão enorme entre refugiados e imigrantes. Muitos dizem que eles raramente fornecem ajuda ou apoio, mas, ao invés disso, dificultam suas vidas.

    Há preocupações crescentes com a exploração de refugiados por facções criminosas, em particular as lideradas pela máfia boliviana no leste da cidade. Santa Efigênia é uma área com cerca de dez blocos de ruas no coração do centro onde os moradores afirmam que você “não encontrará nenhum produto original ou qualquer produto que tenha entrado legalmente no país”. Há dezenas de galerias com comerciantes locais, imigrantes e vendedores ambulantes que vendem suas mercadorias, multidões gritando e agarrando para vender eletrônicos falsificados e contrabando tarde da noite.

    Quando a visitamos, um velho sem-teto acendia uma fogueira com lixo para se aquecer na esquina enquanto pessoas passavam gritando, reclamando da fumaça negra. A área acaba funcionando como um grande mercado de falsificação em São Paulo, com roupas costuradas ali mesmo por pessoas como Ibrahim, um imigrante do Senegal, que trabalha em um ateliê improvisado no centro.

    Ele tem 41 anos e é especialmente talentoso na costura de logotipos falsos da Nike e Adidas. Embora seja um alfaiate profissional e prefira dedicar seu tempo ao seu trabalho original, Ibrahim diz que as pressões financeiras o obrigaram a se juntar ao mercado de falsificação de roupas de grife.

    De acordo com um relatório do governo de São Paulo, 24,7% dos refugiados ajudados pelo Centro de Referência e Assistência aos Imigrantes tem ensino superior. Mas, devido à falta de reconhecimento institucional de suas qualificações, muitos acabam em empregos de segunda classe.


    Clement Kamano, 24, da Guiné, participou dos protestos de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil

    Clement Kamano, 24, da Guiné, participou dos protestos de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil

    Marcelo Pereira

    Clement Kamano, 24, estudou Ciências Sociais na Universidade General Lansana Conté, quando participou dos protestos de 28 de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Depois, ele foi repetidamente perseguido por causa de seu envolvimento em movimentos sociais. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil. Agora ele é um refugiado político quase fluente em português e que gosta de falar sobre os sociólogos e filósofos Emile Durkheim, Max WeberLeibniz e Nietzsche. Atualmente, está tentando uma vaga em uma universidade federal em São Paulo.

    Outros também são atraídos para a economia informal e o tráfico de drogas na rua Guaianazes em torno dos bairros do centro. O local é considerado o coração de Cracolândia, um território controlado pelo crime organizado há mais de uma década, e que agora teria se tornado o lar de algumas gangues de tráfico de drogas lideradas por africanos.

    “Eu amo o Brasil mais do que muitos brasileiros. Sou brasileiro até o dia em que voltarei para o meu país”. Abu, imigrante senegalês.

    Lá há uma mesquita precária no segundo andar de um edifício antigo e degradado que é freqüentada por muitos imigrantes africanos. Do lado de fora, o cheiro de maconha e crack barato é inebriante. Uma multidão se reúne nas ruas em frente aos bares lotados, enquanto nos perguntam se queremos maconha barata.

    Nós entramos em um bar sem sequer uma mesa ou cadeira: há um cartaz do jogador de futebol mais famoso do Camarões, Samuel Eto’o, na parede e uma grande mesa de sinuca no centro, enquanto todos os clientes jogam, discutem e fumam. O atendente diz que é um bar nigeriano, mas que é freqüentado por africanos de todas as nacionalidades. Entre as ofertas de maconha barata, crack e cocaína, risos, música e bate-papo alto, você mal pode ouvir o chamado do imã na mesquita.

    Muitos daqueles que ficam em São Paulo estão construindo seus próprios espaços nesta cidade gigante. Eles estão abrindo restaurantes, mesquitas e igrejas que replicam lugares que remontam às suas origens. “Os imigrantes gostam de comer a comida do seu país de origem, e o mesmo vale para a religião”, diz o pastor Charles, fundador da igreja Ministry of the World of Fire.

    Os recém-chegados estão lentamente se tornando paulistanos. “Em 40 anos, quem está nascendo agora, será capaz de administrar este país. Com educação, respeito e conhecimento”, disse o imigrante Abu. “A riqueza que vocês tem, ninguém tem. Devemos ser patriotas e amar o Brasil. Eu amo o Brasil mais do que muitos brasileiros. Sou brasileiro até o dia em que voltarei para o meu país”.


    Imigrantes africanos participam de cerimônia na igreja Ministry of the World of Fire.

    Imigrantes africanos participam de cerimônia na igreja Ministry of the World of Fire.

    Marcelo Pereira

    * Tradução de Adriano França. Reportagem realizada com o apoio da Transparency International e 100 Reporters.

    The post Refugiados africanos cruzam o Atlântico para viver no Brasil appeared first on The Intercept.

  • Refugiados africanos cruzam o Atlântico para viver no Brasil

    Read more of this story here from The Intercept by Pedro Noel.

    Quando a violência no Congo tornou-se insuportável, Afonso, de 28 anos, decidiu que era hora de arrumar as malas.

    Ele encontrou um grupo de contrabandistas e escapou da capital Kinshasa em um navio de carga com um punhado de outros imigrantes. À medida que o barco saiu da África, ao invés de seguir para o norte, rumo à Europa, tomou o caminho das Américas.


    Afonso veio para o Brasil em um navio de carga e trabalhou durante o trajeto para pagar a viagem.

    Afonso veio para o Brasil em um navio de carga e trabalhou durante o trajeto para pagar a viagem.

    Marcelo Pereira

    Afonso trabalhou no navio para pagar sua passagem. Duas semanas depois, estava no porto de Santos. Hospedado em um dos centros de acolhimento de refugiados da Missão Scalabriniana na cidade de São Paulo, passou a procurar emprego.

    Ele faz parte de uma onda de imigrantes africanos e do Oriente Médio que optam por navegar clandestinamente até as Américas para evitar as gangues violentas que tomaram conta da rota europeia e o mesmo destino das dezenas de milhares de pessoas que morreram tentando atravessar o deserto do Saara e o Mediterrâneo nos últimos anos.

    Relatório divulgado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, o Acnur, nesta terça-feira mostra que, em um ano, mais que dobrou o número de estrangeiros que buscam refúgio no Brasil. Cerca de 85% das pessoas com status de refugiados no mundo foram acolhidas por países em desenvolvimento.

    A história de Afonso é incomum: a maioria dos imigrantes que desembarcam no continente evita o oceano, optando por um pacote que inclui visto, voo e hospedagem e que os deposita em segurança nas maiores cidades da América do Sul.

    Na Caritas, uma organização da igreja católica que ajuda refugiados e imigrantes, conhecemos K, que pediu para não revelar seu nome completo por questões de segurança. Ele deixou Serra Leoa em abril de 2017. Seu avô era o principal sacerdote de uma sociedade secreta na qual, por tradição, o filho mais velho da família assume o posto assim que antigo sacerdote morre.

    Cristão e formado em Tecnologia da Informação, K se recusou a assumir o lugar do avô e passou a ser perseguido. Ele fugiu para ficar com a família no interior do país, mas foi sequestrado e mantido em cativeiro no meio da floresta. Uma noite, ele conseguiu escapar para a cidade e conheceu uma mulher de uma organização cristã que arranjou passagens de avião para que ele pudesse partir imediatamente para o Brasil.

    A irmã Eva Souza, diretora da Missão Scalabriniana em São Paulo, calcula ter recebido recentemente pessoas de países como Angola, Camboja, Congo, Egito, Guiné, Marrocos, Nigéria, Togo, Tunísia, Egito e Síria, entre outros.


    O marroquino Mohamed Ali, de 40 anos, vive no alojamento da Missão Scalabriniana em São Paulo

    O marroquino Mohamed Ali, de 40 anos, vive no alojamento da Missão Scalabriniana em São Paulo

    Marcelo Pereira

    Na Missão, os imigrantes recebem alojamento, comida, roupas e medicamentos. O grupo conta apenas com uma pequena quantia de apoio financeiro do governo e se esforça para ajudar os imigrantes a encontrarem empregos para que eles possam viver de forma independente.

    A irmã diz que muitos dos que chegam à casa estão doentes; alguns, gravemente feridos, outros ficaram doentes durante a viagem ou sofrem por conta das condições em que viviam antes de chegarem a São Paulo. Desde 2015, ela diz ter recebido imigrantes nas situações mais diversas – de vítimas de tráfico humano e de escravidão a mulas de drogas, refugiados políticos e pessoas que perderam suas famílias no caminho.

    Onda de imigração

    Em 2003, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criou uma política de refugiados focada na cooperação sul-sul. Isso colocou o Brasil um em um papel de destaque nesse cenário, levando a ondas de imigração: palestinos em 2007, haitianos a partir de 2010, após o terremoto que devastou seu país, e sírios em 2014. Mas também causou um aumento no número de imigrantes e refugiados africanos, asiáticos e do Oriente Médio em busca de asilo.

    De acordo com as estatísticas oficiais, em 2010 o Brasil recebeu apenas 966 pedidos de asilo. Cinco anos depois, o número passou para 28.670. Muitos eram haitianos, mas funcionários de imigração apontam um aumento brusco no número de pessoas vindas da África e do Oriente Médio.

    Nem todos foram bem vindos. Há 85.746 casos de asilo pendentes, de acordo com o Acnur, e apenas 10.264 refugiados reconhecidos oficialmente. Outros 52.341 se encaixam na rubrica “outras pessoas dentro do escopo do Acnur”, que são as que pedem residência temporária por dois anos justamente por causa da demora do processo de refúgio.

    Muitas das pessoas que tiveram seus pedidos negados acabaram ficando no Brasil. Tanto vivendo ilegalmente quanto usando o país como ponto de partida para uma jornada para o interior do continente. Em 2015, de acordo com o Ministério do Turismo, 110.983 viajantes africanos chegaram ao país, vindos principalmente da África do Sul, Angola, Cabo Verde, Marrocos, Tunísia e Nigéria. A maioria foi para São Paulo.

    Os números oficiais mostram que 1.366 pessoas do continente africano entraram no Brasil por terra — principalmente através do Paraná e dos estados do norte do país, Amapá, Roraima, Amazonas e Acre. Ao menos 125 chegaram pelo mar.

    O ‘boom’ brasileiro

    A esperança da consolidação do Brasil como uma potência econômica mundial alimentou a corrida para o país. Houve um boom na construção civil antes da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, durante o otimismo promovido pelos governos Lula e Dilma Rousseff.

    Muitos disseram que, mesmo com a desaceleração na economia, estão melhores aqui do que em seus países de origem.

    No Brasil não havia nenhum lugar mais atraente do que São Paulo: uma megalópole de mais de 12 milhões de habitantes, a capital financeira do país e uma das cidades mais ricas do mundo. O local tornou-se um destino importante para imigrantes. Quase metade dos residentes da cidade nasceram em outras partes do país e do mundo.

    Embora a perspectiva econômica do Brasil, que passa desde 2015 por uma grave crise financeira, tenha se deteriorado, o fluxo de imigrantes continua forte. Muitos disseram que, mesmo com a desaceleração na economia, estão melhores aqui do que em seus países de origem.

    Lalingé, um restaurante senegalês no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano. Eles se reúnem para conversar, fazer negócios, retransmitir as últimas notícias de seus países e, claro, compartilhar as refeições africanas de que tanto sentem falta.

    Arami, proprietária do local – cujo nome significa “A Princesa” em seu idioma –, está no Brasil há sete anos. Ela conta que abriu o restaurante em 2016 para que a comunidade africana no centro da cidade tivesse um lugar para se reunir.


    O restaurante senegalês Lalingé, no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano.

    O restaurante senegalês Lalingé, no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano.

    Marcelo Pereira

    A vizinha Praça da República, onde muitos imigrantes senegaleses trabalham como vendedores ambulantes, se torna palco de uma festa comunitária todas as noites. Os aparelhos de som tocam canções africanas tradicionais, e o ar é preenchido por conversas sobre a terra natal.

    Carmem Silva, que lidera a Frente de Luta por Moradia, uma ONG que ajuda os sem-teto em São Paulo, diz que a maioria das pessoas que procuram a ajuda do grupo são imigrantes ou refugiados atrás de asilo. Boa parte quer ficar no país. Uns 20%, calcula, ainda o vêem o Brasil como parte do caminho para outros lugares, principalmente para os EUA.

    Fitah, um refugiado somali de 32 anos, estava entre aqueles que esperavam usar o país como um trampolim para chegar aos Estados Unidos. Ele deixou a Somália em 2007 devido à guerra civil e foi para a África do Sul, onde ficou até março de 2017, e pousou em São Paulo com um passaporte de refugiado sul-africano depois de comprar documentos falsos por 4 mil dólares em Johannesburg. Ele queria ir para os Estados Unidos, mas o “pacote de viagem” oferecido por seus traficantes lhe deu apenas duas opções: Brasil ou Turquia. Os preços variam de acordo com o sexo, idade e destino, conta.

    Desiludido pela tentativa do presidente dos EUA, Donald Trump, de impor uma proibição de viagem aos imigrantes da Somália e de outros países, agora pensa em ficar no Brasil. “Aqui eu posso pelo menos andar livre”, diz.

    Corrupção na rota

    Os imigrantes que vêm da África geralmente viajam de avião e entram no Brasil legalmente, sem a ajuda de coiotes, graças a nossa legislação de imigração mais aberta. No entanto, a rota não deixa de ter problemas, e muitos imigrantes contratam “agências” em seus países de origem que se comprometem a “facilitar o processo”. Para alguns deles, reunir os documentos necessários e um agente pode custar milhares de dólares.

    Um oficial da polícia federal brasileira, que falou sob condição de anonimato, disse que as entradas de imigrantes no país – especialmente africanos –, são acordadas com funcionários corruptos na fronteira que retêm centenas de passaportes. Para fazer uma renda extra, eles carimbam pilhas de documentos em turnos noturnos silenciosos.

    Os imigrantes também são extorquidos de outras formas. Alguns funcionários da alfândega não carimbam os passaportes dos imigrantes na entrada do país, mas marcam os endereços brasileiros dos recém-chegados. Meses depois, eles batem em suas portas e pedem dinheiro, ameaçando denunciá-los às autoridades.

    A trilha de imigração através da África começa localmente: aqueles que fogem da crise da segurança no Congo, por exemplo, vão primeiro a Angola antes de atravessar o Atlântico.

    Mas a corrupção também começa em casa. Em 2010, um diplomata angolano disse que um número significativo de pedidos de documentos de identidade emitidos em sua embaixada em Kinshasa, no Congo, foram, na verdade, feitos por imigrantes congoleses que se apresentavam como angolanos.

    H, uma angolana de 42 anos que atualmente mora em um casa alugada pela igreja batista em um bairro abandonado de São Paulo, conta que muitos imigrantes angolanos subornam funcionários da fronteira africana para conseguir documentos. A trilha de imigração através da África começa localmente: aqueles que fogem da crise da segurança no Congo, por exemplo, vão primeiro a Angola antes de atravessar o Atlântico.

    A casa em que H vive, anexada ao prédio da igreja e vizinha a uma boca de fumo, é rústica. Ela chegou há um ano, grávida e com dois de seus filhos. Seu marido e mais duas filhas ainda estão lá.

    H diz que depois que a família do presidente angolano assumiu o mercado de bens contrabandeados em seu país, seu pequeno negócio de importação começou a desmoronar. A longo prazo, ela quer voltar para Angola, mas apenas em uma “situação política diferente”.

    Atualmente, ela está desempregada, mas feliz por seu filho estar estudando, embora muitas vezes ele chegue em casa reclamando do racismo na escola. H não quer que ele brinque com as crianças do bairro, teme que ele seja atraído pelo tráfico caso se misture com a turma errada.

    Embora o Brasil tradicionalmente tenha tido uma atitude receptiva em relação aos refugiados e sua legislação seja moderna e permissiva, a integração não é fácil e muitos imigrantes se queixam de discriminação.

    Muitos africanos entrevistados em São Paulo ainda estavam à espera de documentos permanentes e, apesar de terem permissão para trabalhar com carteira assinada, a maioria trabalhava informalmente, como vendedores ambulantes. Caso do senegalês Abu, que vende tecidos em um quiosque improvisado perto da Praça da República, e de Jorge, da Guiné-Bissau.

    Hoje com 37 anos, ele nasceu em Thiès, no oeste de Senegal, e chegou ao Brasil ainda em 2010 com a esperança de que a Copa do Mundo faria do país um lugar próspero e lhe ofereceria uma nova vida. Ele defende que os imigrantes devem ser respeitados por terem a coragem de deixar tudo para trás e recomeçar a partir do nada. A discriminação e a falta de emprego são um problema para ele, que diz que seu plano agora é economizar para ir para a Europa o mais rápido possível.

    Quando chegou, Abu tinha dinheiro para ficar em um hotel por sete dias. Depois, conseguiu emprego como vendedor de rua e passou a comercializar itens contrabandeados e roupas tradicionais senegalesas costuradas no Brasil com tecidos africanos. Toda vez que a Guarda Municipal vem e apreende as peças, ele demora até cinco meses para recuperar o dinheiro perdido.


    O refugiado senegalês Abu vende roupas costuradas com tecidos típicos em uma barraca no Praça da República, em São Paulo.

    O refugiado senegalês Abu vende roupas costuradas com tecidos típicos em uma barraca na Praça da República, em São Paulo.

    Marcelo Pereira

    Jorge, um engenheiro formado da Guine Bissau, veio para o Brasil há dois anos e agora também vende roupas falsas e contrabandeadas em um mercado local. Sua namorada brasileira está grávida e ele está aguardando uma autorização de trabalho para conseguir um emprego como pedreiro.

    Quando a Polícia Federal foi ao seu endereço para confirmar se ele estava morando lá – um passo essencial no processo de emissão de um visto de trabalho para um imigrante –, os colegas com quem dividia a casa acharam que queriam prendê-lo e negaram que Jorge vivesse no local. Isso atrasou sua chance de obter um trabalho legal e melhor remunerado. A falta de confiança nos funcionários públicos e policiais brasileiros é uma questão enorme entre refugiados e imigrantes. Muitos dizem que eles raramente fornecem ajuda ou apoio, mas, ao invés disso, dificultam suas vidas.

    Há preocupações crescentes com a exploração de refugiados por facções criminosas, em particular as lideradas pela máfia boliviana no leste da cidade. Santa Efigênia é uma área com cerca de dez blocos de ruas no coração do centro onde os moradores afirmam que você “não encontrará nenhum produto original ou qualquer produto que tenha entrado legalmente no país”. Há dezenas de galerias com comerciantes locais, imigrantes e vendedores ambulantes que vendem suas mercadorias, multidões gritando e agarrando para vender eletrônicos falsificados e contrabando tarde da noite.

    Quando a visitamos, um velho sem-teto acendia uma fogueira com lixo para se aquecer na esquina enquanto pessoas passavam gritando, reclamando da fumaça negra. A área acaba funcionando como um grande mercado de falsificação em São Paulo, com roupas costuradas ali mesmo por pessoas como Ibrahim, um imigrante do Senegal, que trabalha em um ateliê improvisado no centro.

    Ele tem 41 anos e é especialmente talentoso na costura de logotipos falsos da Nike e Adidas. Embora seja um alfaiate profissional e prefira dedicar seu tempo ao seu trabalho original, Ibrahim diz que as pressões financeiras o obrigaram a se juntar ao mercado de falsificação de roupas de grife.

    De acordo com um relatório do governo de São Paulo, 24,7% dos refugiados ajudados pelo Centro de Referência e Assistência aos Imigrantes tem ensino superior. Mas, devido à falta de reconhecimento institucional de suas qualificações, muitos acabam em empregos de segunda classe.


    Clement Kamano, 24, da Guiné, participou dos protestos de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil

    Clement Kamano, 24, da Guiné, participou dos protestos de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil

    Marcelo Pereira

    Clement Kamano, 24, estudou Ciências Sociais na Universidade General Lansana Conté, quando participou dos protestos de 28 de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Depois, ele foi repetidamente perseguido por causa de seu envolvimento em movimentos sociais. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil. Agora ele é um refugiado político quase fluente em português e que gosta de falar sobre os sociólogos e filósofos Emile Durkheim, Max WeberLeibniz e Nietzsche. Atualmente, está tentando uma vaga em uma universidade federal em São Paulo.

    Outros também são atraídos para a economia informal e o tráfico de drogas na rua Guaianazes em torno dos bairros do centro. O local é considerado o coração de Cracolândia, um território controlado pelo crime organizado há mais de uma década, e que agora teria se tornado o lar de algumas gangues de tráfico de drogas lideradas por africanos.

    “Eu amo o Brasil mais do que muitos brasileiros. Sou brasileiro até o dia em que voltarei para o meu país”. Abu, imigrante senegalês.

    Lá há uma mesquita precária no segundo andar de um edifício antigo e degradado que é freqüentada por muitos imigrantes africanos. Do lado de fora, o cheiro de maconha e crack barato é inebriante. Uma multidão se reúne nas ruas em frente aos bares lotados, enquanto nos perguntam se queremos maconha barata.

    Nós entramos em um bar sem sequer uma mesa ou cadeira: há um cartaz do jogador de futebol mais famoso do Camarões, Samuel Eto’o, na parede e uma grande mesa de sinuca no centro, enquanto todos os clientes jogam, discutem e fumam. O atendente diz que é um bar nigeriano, mas que é freqüentado por africanos de todas as nacionalidades. Entre as ofertas de maconha barata, crack e cocaína, risos, música e bate-papo alto, você mal pode ouvir o chamado do imã na mesquita.

    Muitos daqueles que ficam em São Paulo estão construindo seus próprios espaços nesta cidade gigante. Eles estão abrindo restaurantes, mesquitas e igrejas que replicam lugares que remontam às suas origens. “Os imigrantes gostam de comer a comida do seu país de origem, e o mesmo vale para a religião”, diz o pastor Charles, fundador da igreja Ministry of the World of Fire.

    Os recém-chegados estão lentamente se tornando paulistanos. “Em 40 anos, quem está nascendo agora, será capaz de administrar este país. Com educação, respeito e conhecimento”, disse o imigrante Abu. “A riqueza que vocês tem, ninguém tem. Devemos ser patriotas e amar o Brasil. Eu amo o Brasil mais do que muitos brasileiros. Sou brasileiro até o dia em que voltarei para o meu país”.


    Imigrantes africanos participam de cerimônia na igreja Ministry of the World of Fire.

    Imigrantes africanos participam de cerimônia na igreja Ministry of the World of Fire.

    Marcelo Pereira

    * Tradução de Adriano França. Reportagem realizada com o apoio da Transparency International e 100 Reporters.

    The post Refugiados africanos cruzam o Atlântico para viver no Brasil appeared first on The Intercept.

  • Apache Stronghold Sacred Caravan with Poor People’s Campaign in DC

    Read more of this story here from CENSORED NEWS by Brenda Norrell.

    Apache Stronghold Sacred Caravan with Poor People's Campaign in DC Article and photos by Steve Pavey Apache Stronghold Sacred Caravan Censored News Prayers already begun for and with the Poor People’s Campaign by the Spiritual Stronghold Caravan who arrived in DC for the Mass Rally after an 18-day journey of prayers for spiritual healing. In order for this country to change the moral
  • DHS, HHS Trying To Reunite Parents And Kids Separated At The Border

    Read more of this story here from Newsy Headlines by Newsy Headlines.


    Watch Video

    The Trump administration is reportedly doing what it can to quickly reunite parents and children separated at the border.

    Earlier this week, DHS officials told reporters at least 2,300 kids were separated from their family members under the administration's "zero-tolerance" policy. When that happens, the parents usually stay in the custody of the Department of Homeland Security, and custody of the children is typically transferred to the Department of Health and Human Services within 72 hours. 

    According to Politico, HHS created a task force to help connect children in the department's custody with their parents. 

    DHS said it's already reunited 500 kids since May. An agency source told CBS News it would reunite most of the kids in U.S. Customs and Border Protection custody with their parents by the end of the day Friday. 

    Additional reporting from Newsy affiliate CNN.

  • UN: Venezuelan Security Forces Killed Hundreds

    Read more of this story here from Newsy Headlines by Newsy Headlines.


    Watch Video

    Venezuelan security forces have killed hundreds in what could count as extrajudicial executions, according to the United Nations.

    new report claims officers under the guise of fighting crime killed more than 500 people, mostly in poor neighborhoods, in less than two years.

    The report claims the killings are often covered up by the officers. UN officials have called for the International Criminal Court to investigate. 

    This comes as Venezuela also deals with a crippling economic crisis and a crackdown on President Nicolás Maduro's opposition. 

  • Victims’ families take plea to White House for stringent border laws

    Read more of this story here from Cronkite News RSS Feed by Cronkite News RSS Feed.

    Pat Poblete

    Friday, June 22, 2018

    Victims’ families take plea to White House for stringent border laws

    WASHINGTON - Critics of the administration's policy of separating families at the border called it the equivalent of "psychological torture," and even President Donald Trump said he did not like it as he ordered the policy reversed this week. But the "Angel Families" who went to the White House Friday told the president that separation is a small price to pay for border security. The families, including two from Arizona, held pictures of their loved ones and shared stories as they praised the administration's policies - and they found a receptive audience in the president. "These are the stories that Democrats and people that are weak on immigration, they don't want to discuss, they don't want to hear, they don't want to see, they don't want to talk about," Trump said. "They don't talk about the death and destruction caused by people who shouldn't be here." Among those who did want to talk about it were Arizonans Mary Ann Mendoza and Steve Ronnebeck. Mendoza's son, Mesa Police Sgt. Brandon Mendoza, was killed in 2014 by a drunken driver who was in this country illegally, while Ronnebeck's son, Grant, was fatally shot in the robbery of a convenience store where he was working. "This is permanent separation," Ronnebeck said of Grant's 2015 killing by an undocumented immigrant. "For his birthday, I go to his grave. For Christmas, I set up a Christmas tree on Grant's grave." [su_pullquote align="right"]

    Related stories:

    Trump ends family separations, stands firm no 'zero tolerance' policyFamily separations spark feuds across Capitol, DHS defends handling of casesNative American lawmakers combat Trump stance on immigrationsImmigration reform stalls in House, as GOP-backed plan is shot down [/su_pullquote] Trump on Wednesday reversed his administration's policy of separating families at the border if they tried to enter the country illegally. The separations were an outgrowth of the administration's "zero tolerance" policy on border enforcement that the Justice Department announced in April, saying anyone caught trying to enter illegally would be referred for criminal prosecution. Because authorities can only hold children for 20 days before they have to be released, the administration said it was forced to separate children from their parents to avoid so-called "catch and release" of undocumented immigrants. The resulting images and videos of crying children sparked a firestorm of criticism from advocates across the political spectrum and officials as diverse as former first ladies and members of Congress - including Arizona's two Republican senators, John McCain and Jeff Flake. "It is psychological torture, what this administration is doing," said Rep. Joe Crowley, D-New York, in a rally by Democrats on Wednesday. "And the Republicans in Congress are tolerating it, they are promoting it, promoting psychological torture against these young children." Rep. Luis Gutierrez, D-Illinois, said at the same rally that the way to halt illegal immigration is not to divide families but to stop "the rape, and the abuse and the exploitation of these children" in their home countries. "They are going to continue to come, fleeing for their lives. Separating children from their parents only continues to traumatize and abuse the very people coming here seeking relief," Gutierrez said. Trump, who had claimed that his hands were tied by immigration laws approved by Democrats, signed an executive order Wednesday reversing the policy, saying authorities should "maintain family unity, including by detaining alien families together where appropriate and consistent with law and available resources." But he did not back down from the zero-tolerance policy, and he pledged again to the Angel Families that "we're going to have a safe country." That is what Mendoza, Ronnebeck and the 11 other family members at the White House wanted to hear. "President Trump, Vice President Pence, you've been there for us and there are no words to describe what your support and your caring has meant to each and an every one of us," Mendoza said.
  • Trump Extends National Emergency Order Declaring North Korea A Threat

    Read more of this story here from Newsy Headlines by Newsy Headlines.


    Watch Video

    President Donald Trump extended a long-standing executive order declaring the threat posed by North Korea a national emergency. 

    Trump extended the national emergency for one year. President George W. Bush originally signed the order in 2008. 

    The U.S. suspended military drills with South Korea following the summit with North Korean leader Kim Jong-un. Still, the Trump administration has vowed to maintain maximum pressure and sanctions on North Korea during denuclearization talks.

President’s Tweet Sabotages GOP on Immigration

Read more of this story here from Truthdig RSS by LISA MASCARO and ZEKE MILLER / The Associated Press.

WASHINGTON—Just when House Republicans needed Donald Trump’s backing the most—on their big immigration overhaul—he dashed off a presidential tweet saying they should quit wasting their time on it.

The Friday tweet is hardly the first time the president has abandoned his allies in a moment of need. Over and over, Trump has proven himself a saboteur, willing to walk away from promises and blow up a deal, undermining the GOP agenda in Congress.

“You just fear that tweet in the morning,” said Rep. Ileana Ros-Lehtinen of Florida. The retiring Republican said members of Congress can’t help but think, “Oh no, how many policies will you undo by the day’s end? Because the day’s not over. Heck, it’s not even noon yet. How many times could he change his mind?”

On Capitol Hill on Friday, the mood was gloomy, particularly among the more centrist Republicans who have been pushing the party’s immigration compromise. That bill would provide $25 billion for Trump’s border wall and set new limits on family visas in favor of merit-based entry — but also create a path to citizenship for young “Dreamers.” It seemed to be losing — rather than gaining — support ahead of rescheduled voting next week. Trump had publicly backed the bill earlier in the week.

“It’s a horrifically chilling signal,” said another retiring Republican, Rep. Mark Sanford of South Carolina, who recently lost his primary election after frequently criticizing Trump.

“What the president just signaled is, ‘I’m not going to be there.’ And therefore I think people will take the cue,” Sanford said. “I think it makes immigration reform that much more unlikely.”

Republican Rep. Mike Simpson of Idaho said lawmakers who are counting on Trump to provide a presidential nudge should reconsider. “He changes so frequently that anybody who depends on that, I think, is in trouble,” he said.

Others, particularly conservative Republicans who don’t support the immigration deal, said Trump’s actions should come as no surprise. He ran on disrupting Washington, aides said, and that’s exactly what he’s doing.

In fact, he does it all the time. Last year, not long after House Republicans stood in the Rose Garden with Trump celebrating passage of their replacement for former President Barack Obama’s health care law, he mocked their legislation as a “mean” bill. After Congress approved a budget deal to end a government shutdown in February, Trump turned on lawmakers and threatened to veto it.

At a White House meeting this week with some two dozen wayward Republicans who needed nudging on the immigration bill, one lawmaker directly asked the president if he would reverse course on it the way he did when he threatened to veto the budget deal, according to two Republicans familiar with the private exchange.

The president reassured them that would not happen, they said.

“Everybody is sensitive to what the president is saying,” said Rep. Paul Cook, R-Calif., who’s undecided on the immigration measure. “I think it makes it very, very difficult. … What he says influences a lot of members.”

The assessment of Trump’s changes isn’t much different at the White House, where officials were caught off guard by his sudden shifts this week on immigration — including his reversal in signing an executive order to halt the separation of immigrant families at the border.

Officials portray a president who increasingly relies on his own counsel, ignoring their advice. They say they follow along with the rest of the country on Twitter to learn what their boss is doing.

“Republicans should stop wasting their time on Immigration until after we elect more Senators and Congressmen/women in November,” Trump tweeted early Friday. “Dems are just playing games, have no intention of doing anything to solve this decades old problem. We can pass great legislation after the Red Wave!”

Officials said the president’s haphazard actions seem to have less to do with campaign politics — or even his own standing with voters — than ego. He’s frustrated with Congress and the media, particularly after the flop of the GOP’s health care overhaul last year, which made him wary of fully embracing legislation before it passes.

What is unclear, though, is whether the president realizes the moderate Republicans he is alienating by shunning their immigration overhaul are among those most endangered in the midterm elections.

“No one has more to lose in November than the president does when it comes to the majority in the House, because if this majority flips over to being a Democrat, there will be a big push for impeachment,” said Rep. Bradley Byrne, R-Ala., who opposes the immigration bill.

House GOP leaders have made it clear they do not expect the immigration bill to pass, but have little choice but to press forward and keep a promise made to moderate Republicans.

One leading architect of the bill, Rep. Carlos Curbelo of Florida, holds out hope that the bill can be revised to gain support.

“What we need from the president is for him to sign a good immigration bill, and he and his team have indicated that he will. That’s all we need,” Curbelo said.

Besides, said Rep. John Faso, R-N.Y., a supporter of the bill, maybe Trump will change his mind again: “Just wait a few hours, the tweet will be different.”

___

Associated Press writers Alan Fram, Matthew Daly, Kevin Freking, Laurie Kellman and Padmananda Rama contributed to this report.

Truthdig is running a reader-funded project to document the Poor People’s Campaign. Please help us by making a donation.

Read more

Apache Stronghold Sacred Caravan with Poor People’s Campaign in DC

Read more of this story here from CENSORED NEWS by Brenda Norrell.

Apache Stronghold Sacred Caravan with Poor People's Campaign in DC Article and photos by Steve Pavey Apache Stronghold Sacred Caravan Censored News Prayers already begun for and with the Poor People’s Campaign by the Spiritual Stronghold Caravan who arrived in DC for the Mass Rally after an 18-day journey of prayers for spiritual healing. In order for this country to change the moral Read more

Apache Stronghold Sacred Caravan with Poor People’s Campaign in DC

Read more of this story here from CENSORED NEWS by Brenda Norrell.

Apache Stronghold Sacred Caravan with Poor People's Campaign in DC Article and photos by Steve Pavey Apache Stronghold Sacred Caravan Censored News Prayers already begun for and with the Poor People’s Campaign by the Spiritual Stronghold Caravan who arrived in DC for the Mass Rally after an 18-day journey of prayers for spiritual healing. In order for this country to change the moral Read more

50th anniversary of East LA school walkouts: When will TUSD students resume walkouts over MAS?

Three Sonorans is out of town this weekend at UCLA celebrating the 50th anniversary of the 1968 East LA Walkouts. Sadly in Tucson, we now we live in an age were white students proudly walk out over constitutionally-protected guns, but TUSD students still have not walked out to demand that their beloved Mexican American Studies Department be brought back after the Federal Court found that Arizona’s ban of it was unconstitutional.

Perhaps this is the main reason the new watered-down Culturally Relevant Classes that replaced MAS in TUSD are kept; they have tamed the young indigenous scholar to accept, to not protest and to not walkout and to not demand the return of their wrongfully taken classes? All while these writing essays on the East LA Walkouts… or how MAS students used to walkout (see video above). read more

Read more

Latino Students Plaintiff responds to TUSD Supt Trujillo over latest Deseg court filings attacking Latinos

Last week on June 14th, 2018, TUSD Superintendent Gabriel Trujillo was on the Bill Buckmaster Show and was asked why TUSD is filing to dismiss the Latino Plaintiffs (Mendoza) from the over four-decades-old Desegregation Case. A short audio excerpt from the show is included below.

Trujillo responds that this is not true, but rather TUSD “has complied with ALL provisions of the Unitary Status Plan [aka “Deseg Order”] as it pertains to the Mexican American student portion.”

Trujillo goes on to say that this is “a radically different statement than saying ‘get rid of the plaintiff representative.’” Trujillo also goes on to agree with TUSD Board President Mark Stegeman’s claim that TUSD will be off of this Deseg Order within 4 years and explains how this will occur; that audio excerpt is also included in the video above for your convenience. read more

Read more

President’s Tweet Sabotages GOP on Immigration

Read more of this story here from Truthdig RSS by LISA MASCARO and ZEKE MILLER / The Associated Press.

WASHINGTON—Just when House Republicans needed Donald Trump’s backing the most—on their big immigration overhaul—he dashed off a presidential tweet saying they should quit wasting their time on it.

The Friday tweet is hardly the first time the president has abandoned his allies in a moment of need. Over and over, Trump has proven himself a saboteur, willing to walk away from promises and blow up a deal, undermining the GOP agenda in Congress.

“You just fear that tweet in the morning,” said Rep. Ileana Ros-Lehtinen of Florida. The retiring Republican said members of Congress can’t help but think, “Oh no, how many policies will you undo by the day’s end? Because the day’s not over. Heck, it’s not even noon yet. How many times could he change his mind?”

On Capitol Hill on Friday, the mood was gloomy, particularly among the more centrist Republicans who have been pushing the party’s immigration compromise. That bill would provide $25 billion for Trump’s border wall and set new limits on family visas in favor of merit-based entry — but also create a path to citizenship for young “Dreamers.” It seemed to be losing — rather than gaining — support ahead of rescheduled voting next week. Trump had publicly backed the bill earlier in the week.

“It’s a horrifically chilling signal,” said another retiring Republican, Rep. Mark Sanford of South Carolina, who recently lost his primary election after frequently criticizing Trump.

“What the president just signaled is, ‘I’m not going to be there.’ And therefore I think people will take the cue,” Sanford said. “I think it makes immigration reform that much more unlikely.”

Republican Rep. Mike Simpson of Idaho said lawmakers who are counting on Trump to provide a presidential nudge should reconsider. “He changes so frequently that anybody who depends on that, I think, is in trouble,” he said.

Others, particularly conservative Republicans who don’t support the immigration deal, said Trump’s actions should come as no surprise. He ran on disrupting Washington, aides said, and that’s exactly what he’s doing.

In fact, he does it all the time. Last year, not long after House Republicans stood in the Rose Garden with Trump celebrating passage of their replacement for former President Barack Obama’s health care law, he mocked their legislation as a “mean” bill. After Congress approved a budget deal to end a government shutdown in February, Trump turned on lawmakers and threatened to veto it.

At a White House meeting this week with some two dozen wayward Republicans who needed nudging on the immigration bill, one lawmaker directly asked the president if he would reverse course on it the way he did when he threatened to veto the budget deal, according to two Republicans familiar with the private exchange.

The president reassured them that would not happen, they said.

“Everybody is sensitive to what the president is saying,” said Rep. Paul Cook, R-Calif., who’s undecided on the immigration measure. “I think it makes it very, very difficult. … What he says influences a lot of members.”

The assessment of Trump’s changes isn’t much different at the White House, where officials were caught off guard by his sudden shifts this week on immigration — including his reversal in signing an executive order to halt the separation of immigrant families at the border.

Officials portray a president who increasingly relies on his own counsel, ignoring their advice. They say they follow along with the rest of the country on Twitter to learn what their boss is doing.

“Republicans should stop wasting their time on Immigration until after we elect more Senators and Congressmen/women in November,” Trump tweeted early Friday. “Dems are just playing games, have no intention of doing anything to solve this decades old problem. We can pass great legislation after the Red Wave!”

Officials said the president’s haphazard actions seem to have less to do with campaign politics — or even his own standing with voters — than ego. He’s frustrated with Congress and the media, particularly after the flop of the GOP’s health care overhaul last year, which made him wary of fully embracing legislation before it passes.

What is unclear, though, is whether the president realizes the moderate Republicans he is alienating by shunning their immigration overhaul are among those most endangered in the midterm elections.

“No one has more to lose in November than the president does when it comes to the majority in the House, because if this majority flips over to being a Democrat, there will be a big push for impeachment,” said Rep. Bradley Byrne, R-Ala., who opposes the immigration bill.

House GOP leaders have made it clear they do not expect the immigration bill to pass, but have little choice but to press forward and keep a promise made to moderate Republicans.

One leading architect of the bill, Rep. Carlos Curbelo of Florida, holds out hope that the bill can be revised to gain support.

“What we need from the president is for him to sign a good immigration bill, and he and his team have indicated that he will. That’s all we need,” Curbelo said.

Besides, said Rep. John Faso, R-N.Y., a supporter of the bill, maybe Trump will change his mind again: “Just wait a few hours, the tweet will be different.”

___

Associated Press writers Alan Fram, Matthew Daly, Kevin Freking, Laurie Kellman and Padmananda Rama contributed to this report.

Truthdig is running a reader-funded project to document the Poor People’s Campaign. Please help us by making a donation.

Read more

Refugiados africanos cruzam o Atlântico para viver no Brasil

Read more of this story here from The Intercept by Pedro Noel.

Quando a violência no Congo tornou-se insuportável, Afonso, de 28 anos, decidiu que era hora de arrumar as malas.

Ele encontrou um grupo de contrabandistas e escapou da capital Kinshasa em um navio de carga com um punhado de outros imigrantes. À medida que o barco saiu da África, ao invés de seguir para o norte, rumo à Europa, tomou o caminho das Américas.


Afonso veio para o Brasil em um navio de carga e trabalhou durante o trajeto para pagar a viagem.

Afonso veio para o Brasil em um navio de carga e trabalhou durante o trajeto para pagar a viagem.

Marcelo Pereira

Afonso trabalhou no navio para pagar sua passagem. Duas semanas depois, estava no porto de Santos. Hospedado em um dos centros de acolhimento de refugiados da Missão Scalabriniana na cidade de São Paulo, passou a procurar emprego.

Ele faz parte de uma onda de imigrantes africanos e do Oriente Médio que optam por navegar clandestinamente até as Américas para evitar as gangues violentas que tomaram conta da rota europeia e o mesmo destino das dezenas de milhares de pessoas que morreram tentando atravessar o deserto do Saara e o Mediterrâneo nos últimos anos.

Relatório divulgado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, o Acnur, nesta terça-feira mostra que, em um ano, mais que dobrou o número de estrangeiros que buscam refúgio no Brasil. Cerca de 85% das pessoas com status de refugiados no mundo foram acolhidas por países em desenvolvimento.

A história de Afonso é incomum: a maioria dos imigrantes que desembarcam no continente evita o oceano, optando por um pacote que inclui visto, voo e hospedagem e que os deposita em segurança nas maiores cidades da América do Sul.

Na Caritas, uma organização da igreja católica que ajuda refugiados e imigrantes, conhecemos K, que pediu para não revelar seu nome completo por questões de segurança. Ele deixou Serra Leoa em abril de 2017. Seu avô era o principal sacerdote de uma sociedade secreta na qual, por tradição, o filho mais velho da família assume o posto assim que antigo sacerdote morre.

Cristão e formado em Tecnologia da Informação, K se recusou a assumir o lugar do avô e passou a ser perseguido. Ele fugiu para ficar com a família no interior do país, mas foi sequestrado e mantido em cativeiro no meio da floresta. Uma noite, ele conseguiu escapar para a cidade e conheceu uma mulher de uma organização cristã que arranjou passagens de avião para que ele pudesse partir imediatamente para o Brasil.

A irmã Eva Souza, diretora da Missão Scalabriniana em São Paulo, calcula ter recebido recentemente pessoas de países como Angola, Camboja, Congo, Egito, Guiné, Marrocos, Nigéria, Togo, Tunísia, Egito e Síria, entre outros.


O marroquino Mohamed Ali, de 40 anos, vive no alojamento da Missão Scalabriniana em São Paulo

O marroquino Mohamed Ali, de 40 anos, vive no alojamento da Missão Scalabriniana em São Paulo

Marcelo Pereira

Na Missão, os imigrantes recebem alojamento, comida, roupas e medicamentos. O grupo conta apenas com uma pequena quantia de apoio financeiro do governo e se esforça para ajudar os imigrantes a encontrarem empregos para que eles possam viver de forma independente.

A irmã diz que muitos dos que chegam à casa estão doentes; alguns, gravemente feridos, outros ficaram doentes durante a viagem ou sofrem por conta das condições em que viviam antes de chegarem a São Paulo. Desde 2015, ela diz ter recebido imigrantes nas situações mais diversas – de vítimas de tráfico humano e de escravidão a mulas de drogas, refugiados políticos e pessoas que perderam suas famílias no caminho.

Onda de imigração

Em 2003, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criou uma política de refugiados focada na cooperação sul-sul. Isso colocou o Brasil um em um papel de destaque nesse cenário, levando a ondas de imigração: palestinos em 2007, haitianos a partir de 2010, após o terremoto que devastou seu país, e sírios em 2014. Mas também causou um aumento no número de imigrantes e refugiados africanos, asiáticos e do Oriente Médio em busca de asilo.

De acordo com as estatísticas oficiais, em 2010 o Brasil recebeu apenas 966 pedidos de asilo. Cinco anos depois, o número passou para 28.670. Muitos eram haitianos, mas funcionários de imigração apontam um aumento brusco no número de pessoas vindas da África e do Oriente Médio.

Nem todos foram bem vindos. Há 85.746 casos de asilo pendentes, de acordo com o Acnur, e apenas 10.264 refugiados reconhecidos oficialmente. Outros 52.341 se encaixam na rubrica “outras pessoas dentro do escopo do Acnur”, que são as que pedem residência temporária por dois anos justamente por causa da demora do processo de refúgio.

Muitas das pessoas que tiveram seus pedidos negados acabaram ficando no Brasil. Tanto vivendo ilegalmente quanto usando o país como ponto de partida para uma jornada para o interior do continente. Em 2015, de acordo com o Ministério do Turismo, 110.983 viajantes africanos chegaram ao país, vindos principalmente da África do Sul, Angola, Cabo Verde, Marrocos, Tunísia e Nigéria. A maioria foi para São Paulo.

Os números oficiais mostram que 1.366 pessoas do continente africano entraram no Brasil por terra — principalmente através do Paraná e dos estados do norte do país, Amapá, Roraima, Amazonas e Acre. Ao menos 125 chegaram pelo mar.

O ‘boom’ brasileiro

A esperança da consolidação do Brasil como uma potência econômica mundial alimentou a corrida para o país. Houve um boom na construção civil antes da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, durante o otimismo promovido pelos governos Lula e Dilma Rousseff.

Muitos disseram que, mesmo com a desaceleração na economia, estão melhores aqui do que em seus países de origem.

No Brasil não havia nenhum lugar mais atraente do que São Paulo: uma megalópole de mais de 12 milhões de habitantes, a capital financeira do país e uma das cidades mais ricas do mundo. O local tornou-se um destino importante para imigrantes. Quase metade dos residentes da cidade nasceram em outras partes do país e do mundo.

Embora a perspectiva econômica do Brasil, que passa desde 2015 por uma grave crise financeira, tenha se deteriorado, o fluxo de imigrantes continua forte. Muitos disseram que, mesmo com a desaceleração na economia, estão melhores aqui do que em seus países de origem.

Lalingé, um restaurante senegalês no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano. Eles se reúnem para conversar, fazer negócios, retransmitir as últimas notícias de seus países e, claro, compartilhar as refeições africanas de que tanto sentem falta.

Arami, proprietária do local – cujo nome significa “A Princesa” em seu idioma –, está no Brasil há sete anos. Ela conta que abriu o restaurante em 2016 para que a comunidade africana no centro da cidade tivesse um lugar para se reunir.


O restaurante senegalês Lalingé, no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano.

O restaurante senegalês Lalingé, no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano.

Marcelo Pereira

A vizinha Praça da República, onde muitos imigrantes senegaleses trabalham como vendedores ambulantes, se torna palco de uma festa comunitária todas as noites. Os aparelhos de som tocam canções africanas tradicionais, e o ar é preenchido por conversas sobre a terra natal.

Carmem Silva, que lidera a Frente de Luta por Moradia, uma ONG que ajuda os sem-teto em São Paulo, diz que a maioria das pessoas que procuram a ajuda do grupo são imigrantes ou refugiados atrás de asilo. Boa parte quer ficar no país. Uns 20%, calcula, ainda o vêem o Brasil como parte do caminho para outros lugares, principalmente para os EUA.

Fitah, um refugiado somali de 32 anos, estava entre aqueles que esperavam usar o país como um trampolim para chegar aos Estados Unidos. Ele deixou a Somália em 2007 devido à guerra civil e foi para a África do Sul, onde ficou até março de 2017, e pousou em São Paulo com um passaporte de refugiado sul-africano depois de comprar documentos falsos por 4 mil dólares em Johannesburg. Ele queria ir para os Estados Unidos, mas o “pacote de viagem” oferecido por seus traficantes lhe deu apenas duas opções: Brasil ou Turquia. Os preços variam de acordo com o sexo, idade e destino, conta.

Desiludido pela tentativa do presidente dos EUA, Donald Trump, de impor uma proibição de viagem aos imigrantes da Somália e de outros países, agora pensa em ficar no Brasil. “Aqui eu posso pelo menos andar livre”, diz.

Corrupção na rota

Os imigrantes que vêm da África geralmente viajam de avião e entram no Brasil legalmente, sem a ajuda de coiotes, graças a nossa legislação de imigração mais aberta. No entanto, a rota não deixa de ter problemas, e muitos imigrantes contratam “agências” em seus países de origem que se comprometem a “facilitar o processo”. Para alguns deles, reunir os documentos necessários e um agente pode custar milhares de dólares.

Um oficial da polícia federal brasileira, que falou sob condição de anonimato, disse que as entradas de imigrantes no país – especialmente africanos –, são acordadas com funcionários corruptos na fronteira que retêm centenas de passaportes. Para fazer uma renda extra, eles carimbam pilhas de documentos em turnos noturnos silenciosos.

Os imigrantes também são extorquidos de outras formas. Alguns funcionários da alfândega não carimbam os passaportes dos imigrantes na entrada do país, mas marcam os endereços brasileiros dos recém-chegados. Meses depois, eles batem em suas portas e pedem dinheiro, ameaçando denunciá-los às autoridades.

A trilha de imigração através da África começa localmente: aqueles que fogem da crise da segurança no Congo, por exemplo, vão primeiro a Angola antes de atravessar o Atlântico.

Mas a corrupção também começa em casa. Em 2010, um diplomata angolano disse que um número significativo de pedidos de documentos de identidade emitidos em sua embaixada em Kinshasa, no Congo, foram, na verdade, feitos por imigrantes congoleses que se apresentavam como angolanos.

H, uma angolana de 42 anos que atualmente mora em um casa alugada pela igreja batista em um bairro abandonado de São Paulo, conta que muitos imigrantes angolanos subornam funcionários da fronteira africana para conseguir documentos. A trilha de imigração através da África começa localmente: aqueles que fogem da crise da segurança no Congo, por exemplo, vão primeiro a Angola antes de atravessar o Atlântico.

A casa em que H vive, anexada ao prédio da igreja e vizinha a uma boca de fumo, é rústica. Ela chegou há um ano, grávida e com dois de seus filhos. Seu marido e mais duas filhas ainda estão lá.

H diz que depois que a família do presidente angolano assumiu o mercado de bens contrabandeados em seu país, seu pequeno negócio de importação começou a desmoronar. A longo prazo, ela quer voltar para Angola, mas apenas em uma “situação política diferente”.

Atualmente, ela está desempregada, mas feliz por seu filho estar estudando, embora muitas vezes ele chegue em casa reclamando do racismo na escola. H não quer que ele brinque com as crianças do bairro, teme que ele seja atraído pelo tráfico caso se misture com a turma errada.

Embora o Brasil tradicionalmente tenha tido uma atitude receptiva em relação aos refugiados e sua legislação seja moderna e permissiva, a integração não é fácil e muitos imigrantes se queixam de discriminação.

Muitos africanos entrevistados em São Paulo ainda estavam à espera de documentos permanentes e, apesar de terem permissão para trabalhar com carteira assinada, a maioria trabalhava informalmente, como vendedores ambulantes. Caso do senegalês Abu, que vende tecidos em um quiosque improvisado perto da Praça da República, e de Jorge, da Guiné-Bissau.

Hoje com 37 anos, ele nasceu em Thiès, no oeste de Senegal, e chegou ao Brasil ainda em 2010 com a esperança de que a Copa do Mundo faria do país um lugar próspero e lhe ofereceria uma nova vida. Ele defende que os imigrantes devem ser respeitados por terem a coragem de deixar tudo para trás e recomeçar a partir do nada. A discriminação e a falta de emprego são um problema para ele, que diz que seu plano agora é economizar para ir para a Europa o mais rápido possível.

Quando chegou, Abu tinha dinheiro para ficar em um hotel por sete dias. Depois, conseguiu emprego como vendedor de rua e passou a comercializar itens contrabandeados e roupas tradicionais senegalesas costuradas no Brasil com tecidos africanos. Toda vez que a Guarda Municipal vem e apreende as peças, ele demora até cinco meses para recuperar o dinheiro perdido.


O refugiado senegalês Abu vende roupas costuradas com tecidos típicos em uma barraca no Praça da República, em São Paulo.

O refugiado senegalês Abu vende roupas costuradas com tecidos típicos em uma barraca na Praça da República, em São Paulo.

Marcelo Pereira

Jorge, um engenheiro formado da Guine Bissau, veio para o Brasil há dois anos e agora também vende roupas falsas e contrabandeadas em um mercado local. Sua namorada brasileira está grávida e ele está aguardando uma autorização de trabalho para conseguir um emprego como pedreiro.

Quando a Polícia Federal foi ao seu endereço para confirmar se ele estava morando lá – um passo essencial no processo de emissão de um visto de trabalho para um imigrante –, os colegas com quem dividia a casa acharam que queriam prendê-lo e negaram que Jorge vivesse no local. Isso atrasou sua chance de obter um trabalho legal e melhor remunerado. A falta de confiança nos funcionários públicos e policiais brasileiros é uma questão enorme entre refugiados e imigrantes. Muitos dizem que eles raramente fornecem ajuda ou apoio, mas, ao invés disso, dificultam suas vidas.

Há preocupações crescentes com a exploração de refugiados por facções criminosas, em particular as lideradas pela máfia boliviana no leste da cidade. Santa Efigênia é uma área com cerca de dez blocos de ruas no coração do centro onde os moradores afirmam que você “não encontrará nenhum produto original ou qualquer produto que tenha entrado legalmente no país”. Há dezenas de galerias com comerciantes locais, imigrantes e vendedores ambulantes que vendem suas mercadorias, multidões gritando e agarrando para vender eletrônicos falsificados e contrabando tarde da noite.

Quando a visitamos, um velho sem-teto acendia uma fogueira com lixo para se aquecer na esquina enquanto pessoas passavam gritando, reclamando da fumaça negra. A área acaba funcionando como um grande mercado de falsificação em São Paulo, com roupas costuradas ali mesmo por pessoas como Ibrahim, um imigrante do Senegal, que trabalha em um ateliê improvisado no centro.

Ele tem 41 anos e é especialmente talentoso na costura de logotipos falsos da Nike e Adidas. Embora seja um alfaiate profissional e prefira dedicar seu tempo ao seu trabalho original, Ibrahim diz que as pressões financeiras o obrigaram a se juntar ao mercado de falsificação de roupas de grife.

De acordo com um relatório do governo de São Paulo, 24,7% dos refugiados ajudados pelo Centro de Referência e Assistência aos Imigrantes tem ensino superior. Mas, devido à falta de reconhecimento institucional de suas qualificações, muitos acabam em empregos de segunda classe.


Clement Kamano, 24, da Guiné, participou dos protestos de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil

Clement Kamano, 24, da Guiné, participou dos protestos de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil

Marcelo Pereira

Clement Kamano, 24, estudou Ciências Sociais na Universidade General Lansana Conté, quando participou dos protestos de 28 de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Depois, ele foi repetidamente perseguido por causa de seu envolvimento em movimentos sociais. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil. Agora ele é um refugiado político quase fluente em português e que gosta de falar sobre os sociólogos e filósofos Emile Durkheim, Max WeberLeibniz e Nietzsche. Atualmente, está tentando uma vaga em uma universidade federal em São Paulo.

Outros também são atraídos para a economia informal e o tráfico de drogas na rua Guaianazes em torno dos bairros do centro. O local é considerado o coração de Cracolândia, um território controlado pelo crime organizado há mais de uma década, e que agora teria se tornado o lar de algumas gangues de tráfico de drogas lideradas por africanos.

“Eu amo o Brasil mais do que muitos brasileiros. Sou brasileiro até o dia em que voltarei para o meu país”. Abu, imigrante senegalês.

Lá há uma mesquita precária no segundo andar de um edifício antigo e degradado que é freqüentada por muitos imigrantes africanos. Do lado de fora, o cheiro de maconha e crack barato é inebriante. Uma multidão se reúne nas ruas em frente aos bares lotados, enquanto nos perguntam se queremos maconha barata.

Nós entramos em um bar sem sequer uma mesa ou cadeira: há um cartaz do jogador de futebol mais famoso do Camarões, Samuel Eto’o, na parede e uma grande mesa de sinuca no centro, enquanto todos os clientes jogam, discutem e fumam. O atendente diz que é um bar nigeriano, mas que é freqüentado por africanos de todas as nacionalidades. Entre as ofertas de maconha barata, crack e cocaína, risos, música e bate-papo alto, você mal pode ouvir o chamado do imã na mesquita.

Muitos daqueles que ficam em São Paulo estão construindo seus próprios espaços nesta cidade gigante. Eles estão abrindo restaurantes, mesquitas e igrejas que replicam lugares que remontam às suas origens. “Os imigrantes gostam de comer a comida do seu país de origem, e o mesmo vale para a religião”, diz o pastor Charles, fundador da igreja Ministry of the World of Fire.

Os recém-chegados estão lentamente se tornando paulistanos. “Em 40 anos, quem está nascendo agora, será capaz de administrar este país. Com educação, respeito e conhecimento”, disse o imigrante Abu. “A riqueza que vocês tem, ninguém tem. Devemos ser patriotas e amar o Brasil. Eu amo o Brasil mais do que muitos brasileiros. Sou brasileiro até o dia em que voltarei para o meu país”.


Imigrantes africanos participam de cerimônia na igreja Ministry of the World of Fire.

Imigrantes africanos participam de cerimônia na igreja Ministry of the World of Fire.

Marcelo Pereira

* Tradução de Adriano França. Reportagem realizada com o apoio da Transparency International e 100 Reporters.

The post Refugiados africanos cruzam o Atlântico para viver no Brasil appeared first on The Intercept.

Read more

Refugiados africanos cruzam o Atlântico para viver no Brasil

Read more of this story here from The Intercept by Pedro Noel.

Quando a violência no Congo tornou-se insuportável, Afonso, de 28 anos, decidiu que era hora de arrumar as malas.

Ele encontrou um grupo de contrabandistas e escapou da capital Kinshasa em um navio de carga com um punhado de outros imigrantes. À medida que o barco saiu da África, ao invés de seguir para o norte, rumo à Europa, tomou o caminho das Américas.


Afonso veio para o Brasil em um navio de carga e trabalhou durante o trajeto para pagar a viagem.

Afonso veio para o Brasil em um navio de carga e trabalhou durante o trajeto para pagar a viagem.

Marcelo Pereira

Afonso trabalhou no navio para pagar sua passagem. Duas semanas depois, estava no porto de Santos. Hospedado em um dos centros de acolhimento de refugiados da Missão Scalabriniana na cidade de São Paulo, passou a procurar emprego.

Ele faz parte de uma onda de imigrantes africanos e do Oriente Médio que optam por navegar clandestinamente até as Américas para evitar as gangues violentas que tomaram conta da rota europeia e o mesmo destino das dezenas de milhares de pessoas que morreram tentando atravessar o deserto do Saara e o Mediterrâneo nos últimos anos.

Relatório divulgado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, o Acnur, nesta terça-feira mostra que, em um ano, mais que dobrou o número de estrangeiros que buscam refúgio no Brasil. Cerca de 85% das pessoas com status de refugiados no mundo foram acolhidas por países em desenvolvimento.

A história de Afonso é incomum: a maioria dos imigrantes que desembarcam no continente evita o oceano, optando por um pacote que inclui visto, voo e hospedagem e que os deposita em segurança nas maiores cidades da América do Sul.

Na Caritas, uma organização da igreja católica que ajuda refugiados e imigrantes, conhecemos K, que pediu para não revelar seu nome completo por questões de segurança. Ele deixou Serra Leoa em abril de 2017. Seu avô era o principal sacerdote de uma sociedade secreta na qual, por tradição, o filho mais velho da família assume o posto assim que antigo sacerdote morre.

Cristão e formado em Tecnologia da Informação, K se recusou a assumir o lugar do avô e passou a ser perseguido. Ele fugiu para ficar com a família no interior do país, mas foi sequestrado e mantido em cativeiro no meio da floresta. Uma noite, ele conseguiu escapar para a cidade e conheceu uma mulher de uma organização cristã que arranjou passagens de avião para que ele pudesse partir imediatamente para o Brasil.

A irmã Eva Souza, diretora da Missão Scalabriniana em São Paulo, calcula ter recebido recentemente pessoas de países como Angola, Camboja, Congo, Egito, Guiné, Marrocos, Nigéria, Togo, Tunísia, Egito e Síria, entre outros.


O marroquino Mohamed Ali, de 40 anos, vive no alojamento da Missão Scalabriniana em São Paulo

O marroquino Mohamed Ali, de 40 anos, vive no alojamento da Missão Scalabriniana em São Paulo

Marcelo Pereira

Na Missão, os imigrantes recebem alojamento, comida, roupas e medicamentos. O grupo conta apenas com uma pequena quantia de apoio financeiro do governo e se esforça para ajudar os imigrantes a encontrarem empregos para que eles possam viver de forma independente.

A irmã diz que muitos dos que chegam à casa estão doentes; alguns, gravemente feridos, outros ficaram doentes durante a viagem ou sofrem por conta das condições em que viviam antes de chegarem a São Paulo. Desde 2015, ela diz ter recebido imigrantes nas situações mais diversas – de vítimas de tráfico humano e de escravidão a mulas de drogas, refugiados políticos e pessoas que perderam suas famílias no caminho.

Onda de imigração

Em 2003, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criou uma política de refugiados focada na cooperação sul-sul. Isso colocou o Brasil um em um papel de destaque nesse cenário, levando a ondas de imigração: palestinos em 2007, haitianos a partir de 2010, após o terremoto que devastou seu país, e sírios em 2014. Mas também causou um aumento no número de imigrantes e refugiados africanos, asiáticos e do Oriente Médio em busca de asilo.

De acordo com as estatísticas oficiais, em 2010 o Brasil recebeu apenas 966 pedidos de asilo. Cinco anos depois, o número passou para 28.670. Muitos eram haitianos, mas funcionários de imigração apontam um aumento brusco no número de pessoas vindas da África e do Oriente Médio.

Nem todos foram bem vindos. Há 85.746 casos de asilo pendentes, de acordo com o Acnur, e apenas 10.264 refugiados reconhecidos oficialmente. Outros 52.341 se encaixam na rubrica “outras pessoas dentro do escopo do Acnur”, que são as que pedem residência temporária por dois anos justamente por causa da demora do processo de refúgio.

Muitas das pessoas que tiveram seus pedidos negados acabaram ficando no Brasil. Tanto vivendo ilegalmente quanto usando o país como ponto de partida para uma jornada para o interior do continente. Em 2015, de acordo com o Ministério do Turismo, 110.983 viajantes africanos chegaram ao país, vindos principalmente da África do Sul, Angola, Cabo Verde, Marrocos, Tunísia e Nigéria. A maioria foi para São Paulo.

Os números oficiais mostram que 1.366 pessoas do continente africano entraram no Brasil por terra — principalmente através do Paraná e dos estados do norte do país, Amapá, Roraima, Amazonas e Acre. Ao menos 125 chegaram pelo mar.

O ‘boom’ brasileiro

A esperança da consolidação do Brasil como uma potência econômica mundial alimentou a corrida para o país. Houve um boom na construção civil antes da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, durante o otimismo promovido pelos governos Lula e Dilma Rousseff.

Muitos disseram que, mesmo com a desaceleração na economia, estão melhores aqui do que em seus países de origem.

No Brasil não havia nenhum lugar mais atraente do que São Paulo: uma megalópole de mais de 12 milhões de habitantes, a capital financeira do país e uma das cidades mais ricas do mundo. O local tornou-se um destino importante para imigrantes. Quase metade dos residentes da cidade nasceram em outras partes do país e do mundo.

Embora a perspectiva econômica do Brasil, que passa desde 2015 por uma grave crise financeira, tenha se deteriorado, o fluxo de imigrantes continua forte. Muitos disseram que, mesmo com a desaceleração na economia, estão melhores aqui do que em seus países de origem.

Lalingé, um restaurante senegalês no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano. Eles se reúnem para conversar, fazer negócios, retransmitir as últimas notícias de seus países e, claro, compartilhar as refeições africanas de que tanto sentem falta.

Arami, proprietária do local – cujo nome significa “A Princesa” em seu idioma –, está no Brasil há sete anos. Ela conta que abriu o restaurante em 2016 para que a comunidade africana no centro da cidade tivesse um lugar para se reunir.


O restaurante senegalês Lalingé, no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano.

O restaurante senegalês Lalingé, no movimentado centro de São Paulo, atrai imigrantes de todo o continente africano.

Marcelo Pereira

A vizinha Praça da República, onde muitos imigrantes senegaleses trabalham como vendedores ambulantes, se torna palco de uma festa comunitária todas as noites. Os aparelhos de som tocam canções africanas tradicionais, e o ar é preenchido por conversas sobre a terra natal.

Carmem Silva, que lidera a Frente de Luta por Moradia, uma ONG que ajuda os sem-teto em São Paulo, diz que a maioria das pessoas que procuram a ajuda do grupo são imigrantes ou refugiados atrás de asilo. Boa parte quer ficar no país. Uns 20%, calcula, ainda o vêem o Brasil como parte do caminho para outros lugares, principalmente para os EUA.

Fitah, um refugiado somali de 32 anos, estava entre aqueles que esperavam usar o país como um trampolim para chegar aos Estados Unidos. Ele deixou a Somália em 2007 devido à guerra civil e foi para a África do Sul, onde ficou até março de 2017, e pousou em São Paulo com um passaporte de refugiado sul-africano depois de comprar documentos falsos por 4 mil dólares em Johannesburg. Ele queria ir para os Estados Unidos, mas o “pacote de viagem” oferecido por seus traficantes lhe deu apenas duas opções: Brasil ou Turquia. Os preços variam de acordo com o sexo, idade e destino, conta.

Desiludido pela tentativa do presidente dos EUA, Donald Trump, de impor uma proibição de viagem aos imigrantes da Somália e de outros países, agora pensa em ficar no Brasil. “Aqui eu posso pelo menos andar livre”, diz.

Corrupção na rota

Os imigrantes que vêm da África geralmente viajam de avião e entram no Brasil legalmente, sem a ajuda de coiotes, graças a nossa legislação de imigração mais aberta. No entanto, a rota não deixa de ter problemas, e muitos imigrantes contratam “agências” em seus países de origem que se comprometem a “facilitar o processo”. Para alguns deles, reunir os documentos necessários e um agente pode custar milhares de dólares.

Um oficial da polícia federal brasileira, que falou sob condição de anonimato, disse que as entradas de imigrantes no país – especialmente africanos –, são acordadas com funcionários corruptos na fronteira que retêm centenas de passaportes. Para fazer uma renda extra, eles carimbam pilhas de documentos em turnos noturnos silenciosos.

Os imigrantes também são extorquidos de outras formas. Alguns funcionários da alfândega não carimbam os passaportes dos imigrantes na entrada do país, mas marcam os endereços brasileiros dos recém-chegados. Meses depois, eles batem em suas portas e pedem dinheiro, ameaçando denunciá-los às autoridades.

A trilha de imigração através da África começa localmente: aqueles que fogem da crise da segurança no Congo, por exemplo, vão primeiro a Angola antes de atravessar o Atlântico.

Mas a corrupção também começa em casa. Em 2010, um diplomata angolano disse que um número significativo de pedidos de documentos de identidade emitidos em sua embaixada em Kinshasa, no Congo, foram, na verdade, feitos por imigrantes congoleses que se apresentavam como angolanos.

H, uma angolana de 42 anos que atualmente mora em um casa alugada pela igreja batista em um bairro abandonado de São Paulo, conta que muitos imigrantes angolanos subornam funcionários da fronteira africana para conseguir documentos. A trilha de imigração através da África começa localmente: aqueles que fogem da crise da segurança no Congo, por exemplo, vão primeiro a Angola antes de atravessar o Atlântico.

A casa em que H vive, anexada ao prédio da igreja e vizinha a uma boca de fumo, é rústica. Ela chegou há um ano, grávida e com dois de seus filhos. Seu marido e mais duas filhas ainda estão lá.

H diz que depois que a família do presidente angolano assumiu o mercado de bens contrabandeados em seu país, seu pequeno negócio de importação começou a desmoronar. A longo prazo, ela quer voltar para Angola, mas apenas em uma “situação política diferente”.

Atualmente, ela está desempregada, mas feliz por seu filho estar estudando, embora muitas vezes ele chegue em casa reclamando do racismo na escola. H não quer que ele brinque com as crianças do bairro, teme que ele seja atraído pelo tráfico caso se misture com a turma errada.

Embora o Brasil tradicionalmente tenha tido uma atitude receptiva em relação aos refugiados e sua legislação seja moderna e permissiva, a integração não é fácil e muitos imigrantes se queixam de discriminação.

Muitos africanos entrevistados em São Paulo ainda estavam à espera de documentos permanentes e, apesar de terem permissão para trabalhar com carteira assinada, a maioria trabalhava informalmente, como vendedores ambulantes. Caso do senegalês Abu, que vende tecidos em um quiosque improvisado perto da Praça da República, e de Jorge, da Guiné-Bissau.

Hoje com 37 anos, ele nasceu em Thiès, no oeste de Senegal, e chegou ao Brasil ainda em 2010 com a esperança de que a Copa do Mundo faria do país um lugar próspero e lhe ofereceria uma nova vida. Ele defende que os imigrantes devem ser respeitados por terem a coragem de deixar tudo para trás e recomeçar a partir do nada. A discriminação e a falta de emprego são um problema para ele, que diz que seu plano agora é economizar para ir para a Europa o mais rápido possível.

Quando chegou, Abu tinha dinheiro para ficar em um hotel por sete dias. Depois, conseguiu emprego como vendedor de rua e passou a comercializar itens contrabandeados e roupas tradicionais senegalesas costuradas no Brasil com tecidos africanos. Toda vez que a Guarda Municipal vem e apreende as peças, ele demora até cinco meses para recuperar o dinheiro perdido.


O refugiado senegalês Abu vende roupas costuradas com tecidos típicos em uma barraca no Praça da República, em São Paulo.

O refugiado senegalês Abu vende roupas costuradas com tecidos típicos em uma barraca na Praça da República, em São Paulo.

Marcelo Pereira

Jorge, um engenheiro formado da Guine Bissau, veio para o Brasil há dois anos e agora também vende roupas falsas e contrabandeadas em um mercado local. Sua namorada brasileira está grávida e ele está aguardando uma autorização de trabalho para conseguir um emprego como pedreiro.

Quando a Polícia Federal foi ao seu endereço para confirmar se ele estava morando lá – um passo essencial no processo de emissão de um visto de trabalho para um imigrante –, os colegas com quem dividia a casa acharam que queriam prendê-lo e negaram que Jorge vivesse no local. Isso atrasou sua chance de obter um trabalho legal e melhor remunerado. A falta de confiança nos funcionários públicos e policiais brasileiros é uma questão enorme entre refugiados e imigrantes. Muitos dizem que eles raramente fornecem ajuda ou apoio, mas, ao invés disso, dificultam suas vidas.

Há preocupações crescentes com a exploração de refugiados por facções criminosas, em particular as lideradas pela máfia boliviana no leste da cidade. Santa Efigênia é uma área com cerca de dez blocos de ruas no coração do centro onde os moradores afirmam que você “não encontrará nenhum produto original ou qualquer produto que tenha entrado legalmente no país”. Há dezenas de galerias com comerciantes locais, imigrantes e vendedores ambulantes que vendem suas mercadorias, multidões gritando e agarrando para vender eletrônicos falsificados e contrabando tarde da noite.

Quando a visitamos, um velho sem-teto acendia uma fogueira com lixo para se aquecer na esquina enquanto pessoas passavam gritando, reclamando da fumaça negra. A área acaba funcionando como um grande mercado de falsificação em São Paulo, com roupas costuradas ali mesmo por pessoas como Ibrahim, um imigrante do Senegal, que trabalha em um ateliê improvisado no centro.

Ele tem 41 anos e é especialmente talentoso na costura de logotipos falsos da Nike e Adidas. Embora seja um alfaiate profissional e prefira dedicar seu tempo ao seu trabalho original, Ibrahim diz que as pressões financeiras o obrigaram a se juntar ao mercado de falsificação de roupas de grife.

De acordo com um relatório do governo de São Paulo, 24,7% dos refugiados ajudados pelo Centro de Referência e Assistência aos Imigrantes tem ensino superior. Mas, devido à falta de reconhecimento institucional de suas qualificações, muitos acabam em empregos de segunda classe.


Clement Kamano, 24, da Guiné, participou dos protestos de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil

Clement Kamano, 24, da Guiné, participou dos protestos de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil

Marcelo Pereira

Clement Kamano, 24, estudou Ciências Sociais na Universidade General Lansana Conté, quando participou dos protestos de 28 de setembro de 2009, que acabaram com mais de 150 mortos. Depois, ele foi repetidamente perseguido por causa de seu envolvimento em movimentos sociais. Temendo que pudesse ser morto, seu pai lhe comprou uma passagem para o Brasil. Agora ele é um refugiado político quase fluente em português e que gosta de falar sobre os sociólogos e filósofos Emile Durkheim, Max WeberLeibniz e Nietzsche. Atualmente, está tentando uma vaga em uma universidade federal em São Paulo.

Outros também são atraídos para a economia informal e o tráfico de drogas na rua Guaianazes em torno dos bairros do centro. O local é considerado o coração de Cracolândia, um território controlado pelo crime organizado há mais de uma década, e que agora teria se tornado o lar de algumas gangues de tráfico de drogas lideradas por africanos.

“Eu amo o Brasil mais do que muitos brasileiros. Sou brasileiro até o dia em que voltarei para o meu país”. Abu, imigrante senegalês.

Lá há uma mesquita precária no segundo andar de um edifício antigo e degradado que é freqüentada por muitos imigrantes africanos. Do lado de fora, o cheiro de maconha e crack barato é inebriante. Uma multidão se reúne nas ruas em frente aos bares lotados, enquanto nos perguntam se queremos maconha barata.

Nós entramos em um bar sem sequer uma mesa ou cadeira: há um cartaz do jogador de futebol mais famoso do Camarões, Samuel Eto’o, na parede e uma grande mesa de sinuca no centro, enquanto todos os clientes jogam, discutem e fumam. O atendente diz que é um bar nigeriano, mas que é freqüentado por africanos de todas as nacionalidades. Entre as ofertas de maconha barata, crack e cocaína, risos, música e bate-papo alto, você mal pode ouvir o chamado do imã na mesquita.

Muitos daqueles que ficam em São Paulo estão construindo seus próprios espaços nesta cidade gigante. Eles estão abrindo restaurantes, mesquitas e igrejas que replicam lugares que remontam às suas origens. “Os imigrantes gostam de comer a comida do seu país de origem, e o mesmo vale para a religião”, diz o pastor Charles, fundador da igreja Ministry of the World of Fire.

Os recém-chegados estão lentamente se tornando paulistanos. “Em 40 anos, quem está nascendo agora, será capaz de administrar este país. Com educação, respeito e conhecimento”, disse o imigrante Abu. “A riqueza que vocês tem, ninguém tem. Devemos ser patriotas e amar o Brasil. Eu amo o Brasil mais do que muitos brasileiros. Sou brasileiro até o dia em que voltarei para o meu país”.


Imigrantes africanos participam de cerimônia na igreja Ministry of the World of Fire.

Imigrantes africanos participam de cerimônia na igreja Ministry of the World of Fire.

Marcelo Pereira

* Tradução de Adriano França. Reportagem realizada com o apoio da Transparency International e 100 Reporters.

The post Refugiados africanos cruzam o Atlântico para viver no Brasil appeared first on The Intercept.

Read more

Apache Stronghold Sacred Caravan with Poor People’s Campaign in DC

Read more of this story here from CENSORED NEWS by Brenda Norrell.

Apache Stronghold Sacred Caravan with Poor People's Campaign in DC Article and photos by Steve Pavey Apache Stronghold Sacred Caravan Censored News Prayers already begun for and with the Poor People’s Campaign by the Spiritual Stronghold Caravan who arrived in DC for the Mass Rally after an 18-day journey of prayers for spiritual healing. In order for this country to change the moral Read more

DHS, HHS Trying To Reunite Parents And Kids Separated At The Border

Read more of this story here from Newsy Headlines by Newsy Headlines.


Watch Video

The Trump administration is reportedly doing what it can to quickly reunite parents and children separated at the border.

Earlier this week, DHS officials told reporters at least 2,300 kids were separated from their family members under the administration's "zero-tolerance" policy. When that happens, the parents usually stay in the custody of the Department of Homeland Security, and custody of the children is typically transferred to the Department of Health and Human Services within 72 hours. 

According to Politico, HHS created a task force to help connect children in the department's custody with their parents. 

DHS said it's already reunited 500 kids since May. An agency source told CBS News it would reunite most of the kids in U.S. Customs and Border Protection custody with their parents by the end of the day Friday. 

Additional reporting from Newsy affiliate CNN.

Read more

UN: Venezuelan Security Forces Killed Hundreds

Read more of this story here from Newsy Headlines by Newsy Headlines.


Watch Video

Venezuelan security forces have killed hundreds in what could count as extrajudicial executions, according to the United Nations.

new report claims officers under the guise of fighting crime killed more than 500 people, mostly in poor neighborhoods, in less than two years.

The report claims the killings are often covered up by the officers. UN officials have called for the International Criminal Court to investigate. 

This comes as Venezuela also deals with a crippling economic crisis and a crackdown on President Nicolás Maduro's opposition. 

Read more

Victims’ families take plea to White House for stringent border laws

Read more of this story here from Cronkite News RSS Feed by Cronkite News RSS Feed.

Pat Poblete

Friday, June 22, 2018

Victims’ families take plea to White House for stringent border laws

WASHINGTON - Critics of the administration's policy of separating families at the border called it the equivalent of "psychological torture," and even President Donald Trump said he did not like it as he ordered the policy reversed this week. But the "Angel Families" who went to the White House Friday told the president that separation is a small price to pay for border security. The families, including two from Arizona, held pictures of their loved ones and shared stories as they praised the administration's policies - and they found a receptive audience in the president. "These are the stories that Democrats and people that are weak on immigration, they don't want to discuss, they don't want to hear, they don't want to see, they don't want to talk about," Trump said. "They don't talk about the death and destruction caused by people who shouldn't be here." Among those who did want to talk about it were Arizonans Mary Ann Mendoza and Steve Ronnebeck. Mendoza's son, Mesa Police Sgt. Brandon Mendoza, was killed in 2014 by a drunken driver who was in this country illegally, while Ronnebeck's son, Grant, was fatally shot in the robbery of a convenience store where he was working. "This is permanent separation," Ronnebeck said of Grant's 2015 killing by an undocumented immigrant. "For his birthday, I go to his grave. For Christmas, I set up a Christmas tree on Grant's grave." [su_pullquote align="right"]

Related stories:

Trump ends family separations, stands firm no 'zero tolerance' policyFamily separations spark feuds across Capitol, DHS defends handling of casesNative American lawmakers combat Trump stance on immigrationsImmigration reform stalls in House, as GOP-backed plan is shot down [/su_pullquote] Trump on Wednesday reversed his administration's policy of separating families at the border if they tried to enter the country illegally. The separations were an outgrowth of the administration's "zero tolerance" policy on border enforcement that the Justice Department announced in April, saying anyone caught trying to enter illegally would be referred for criminal prosecution. Because authorities can only hold children for 20 days before they have to be released, the administration said it was forced to separate children from their parents to avoid so-called "catch and release" of undocumented immigrants. The resulting images and videos of crying children sparked a firestorm of criticism from advocates across the political spectrum and officials as diverse as former first ladies and members of Congress - including Arizona's two Republican senators, John McCain and Jeff Flake. "It is psychological torture, what this administration is doing," said Rep. Joe Crowley, D-New York, in a rally by Democrats on Wednesday. "And the Republicans in Congress are tolerating it, they are promoting it, promoting psychological torture against these young children." Rep. Luis Gutierrez, D-Illinois, said at the same rally that the way to halt illegal immigration is not to divide families but to stop "the rape, and the abuse and the exploitation of these children" in their home countries. "They are going to continue to come, fleeing for their lives. Separating children from their parents only continues to traumatize and abuse the very people coming here seeking relief," Gutierrez said. Trump, who had claimed that his hands were tied by immigration laws approved by Democrats, signed an executive order Wednesday reversing the policy, saying authorities should "maintain family unity, including by detaining alien families together where appropriate and consistent with law and available resources." But he did not back down from the zero-tolerance policy, and he pledged again to the Angel Families that "we're going to have a safe country." That is what Mendoza, Ronnebeck and the 11 other family members at the White House wanted to hear. "President Trump, Vice President Pence, you've been there for us and there are no words to describe what your support and your caring has meant to each and an every one of us," Mendoza said. Read more

Trump Extends National Emergency Order Declaring North Korea A Threat

Read more of this story here from Newsy Headlines by Newsy Headlines.


Watch Video

President Donald Trump extended a long-standing executive order declaring the threat posed by North Korea a national emergency. 

Trump extended the national emergency for one year. President George W. Bush originally signed the order in 2008. 

The U.S. suspended military drills with South Korea following the summit with North Korean leader Kim Jong-un. Still, the Trump administration has vowed to maintain maximum pressure and sanctions on North Korea during denuclearization talks.

Read more

Food, Family Inspired Pixar’s First Female-Directed Short Film, ‘Bao’

Read more of this story here from Newsy Headlines by Newsy Headlines.


Watch Video

Pixar's latest short film, "Bao," is about a Chinese-Canadian mother suffering from empty nest syndrome when one of her dumplings comes to life.

Twenty-eight-year-old Domee Shi is the creative force behind the film as well as the first female animated short director in Pixar's 32-year history. "Bao" is also the first Pixar short to feature a Chinese person. On a Canadian newscast, Shi describes the title of the short this way:

"Bao has two meanings in Chinese. Said one way, 'bao,' it means steam bun. ... And said another way it means 'precious' or 'a treasure.'"

SEE MORE: 'Black Panther' Cast Shows Progress, But Hollywood Diversity Doesn't

Hollywood lacks female directors — women make up about 7 percent — as well as female and Asian leads. So some say this touching portrait of an immigrant mom offers authenticity and diverse storytelling.  

Shi is an only child of Chinese immigrant parents in Toronto, and she drew inspiration from her experiences and culture. Even the main character was inspired by her mother. 

"My mom, I tried to involve her as much as possible in making this short as well. Like, she's come twice to do dumpling-making classes for the whole crew. ... Those opening shots in the short of those hands, making the dumplings, those are basically my mom's hands," Shi said.  

And, if watching a baby bao gets you hungry, Shi shared her Mom's dumpling recipe — complete with drawings. 

"Bao" plays in theaters before the film "Incredibles 2."

Read more